Filmes

Published on Fevereiro 9th, 2015 | by Edmundo Grieco

0

Crítica do Alto da Torre – Grandes Olhos

Não são muitos os diretores de cinema da atualidade que tem um currículo como o de Tim Burton. Sucessos, ora de publico, ora de crítica, ora de ambos não faltam em sua filmografia. Mesmo assim, sempre que um filme dele chega aos cinemas as expectativas são sempre muito diversificadas. É o gosto pelas histórias esquisitas, amplificado pelas suas peculiares (excelentementes e igualmente estranhas) fotografia e direção de arte que fazem que ele seja considerado um talento, nem sempre tão bem demonstrado em suas obras. Não é difícil encontrar pessoas que tenha um ou mais filmes dele entre os preferidos, já quem goste de todos, ou que ao saber de um lançamento fique imediatamente crente de que o filme será bom é um tanto mais raro. Tim Burton, me parece, é um pouco refém de seu próprio estilo, que as vezes geram acertos incríveis como o meu preferido dele: “Peixe Grande e suas Histórias Maravilhosas”, e as vezes coisas que é difícil entender por que existe, como suas versões de “O Planeta dos Macacos”, “A Fantástica Fábrica de Chocolate” e “Alice no País das Maravilhas”.

grandes olhos 01

Agora em “Grandes Olhos” o acerto de Tim Burton é notável. Não sei se foi o fato de se tratar de uma história real (esquisita ao gosto do diretor, mas real) que o fez botar um freio na esquisitice visual que via de regra o acompanha. Não é que o filme não tenha a assinatura visual dele, mas muito mais discreta, pontual e trabalhando a favor do roteiro, não desviando a atenção. A fotografia e a direção de arte são impecáveis, como era de se esperar, e emulam uma produção em meados do século XX. A protagonista Amy Adams está sensacional em sua atuação de uma personagem difícil de acompanhar em todas as suas variações no que é provavelmente seu melhor papel até agora. Cristoph Waltz, o co-protagonista, também fez um trabalho perfeito, completando mais um ponto alto do filme.

grandes olhos 02

O filme traz a interessante trajetória da pintora Margaret Keane, desde o princípio até ter sua obra reconhecida. Trajetória essa que é nível Tim Burton de história estranha, e nada mais é possível falar sob pena de estragar a experiência de quem for assistir.

A estrutura do filme é outro ponto positivo, não há pressa nem demora. Seja na apresentação dos personagens, no surgimento do conflito, nas posteriores decorrências e soluções, resultando em um filme que te passa, com muita competência, o sentimento da personagem retratada em cada momento da sua vida.

grandes olhos 03

Indico a ida no cinema. É desses filmes que a imersão da sala faz muita diferença.

Nota: 11/13

Torre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus BomTorre dos Gurus ApagadoTorre dos Gurus Apagado

Autor do post e critico de cinema: Edmundo Fontela Emediato Grieco

Tags: ,


About the Author



Back to Top ↑
  • Categorias


  • PODCAST DESTAQUE

  • Curta a TdG